Universidade testa com sucesso colírio de açafrão para tratar glaucoma

O açafrão-da-terra (Curcuma longa), também conhecido como cúrcuma, é uma raiz da família do gengibre.

A raiz é utilizada há mais de 4.000 anos no Oriente Médio e na Ásia, tanto na medicina ayurvédica como na medicina tradicional chinesa, como um potente fitoterápico.

E não é só isso: o tempero se destaca pela ação antienvelhecimento e antioxidante.

Segundo uma pesquisa da Universidade da Califórnia (UCL), é capaz de reduzir o risco da doença de Alzheimer, além de proteger contra diversos tipos de problemas oncologicos e ter forte ação anti-inflamatória.

Agora, uma nova descoberta da ciência sobre os benefícios do açafrão-da-terra promete ajudar também quem sofre de glaucoma.

Um estudo conduzido por pesquisadores da UCL e do Imperial College London descobriu que um composto do açafrão pode ser usado em colírio para tratar o glaucoma.

No artigo da Scientific Reports, os pesquisadores relatam um novo método para administrar a curcumina, extraída do açafrão.

“A curcumina se mostrou promissora na detecção e tratamento da neurodegeneração implicada em numerosas condições oculares e cerebrais, do glaucoma à doença de Alzheimer.

E pode ser facilmente administrada em colírios, ajudando milhões de pessoas com glaucoma“, afirmou a principal autora do estudo, a professora Francesca Cordeiro.

O glaucoma é caracterizado pela lesão do nervo óptico relacionada à pressão ocular alta e afeta mais de 60 milhões de pessoas em todo o mundo, levando à cegueira irreversível em 1 em cada 10 casos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80 milhões de pessoas terão glaucoma no mundo até 2020.

No Brasil, estima-se que o problema afete cerca de 1 milhão de brasileiros.

A condição envolve principalmente a perda de células ganglionares da retina, um tipo de neurônio localizado perto da superfície da retina.

A curcumina já foi utilizada anteriormente, por via oral, para proteger as células ganglionares da retina.

Clique na seta amarela abaixo, após a publicidade, para continuar lendo.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *