Mamadeira NÃO é melhor jeito de dar leite ao bebê: este é o acessório mais indicado

Mulheres que acabaram de tornar-se mães geralmente são apresentadas a mudanças bruscas na sua rotina.

Se elas estão inseridas no mercado do trabalho, a licença maternidade garante a pausa imprescindível nesses primeiros momentos com o bebê.

Caso atuem em outros projetos ou tenham responsabilidades que exijam sua presença, a pausa também é determinante.

Mas o que ocorre é que depois de um tempo, o “play” volta a incorporar a rotina e as mães são levadas a equilibrar seus afazeres e os cuidados com o pequeno – com a participação dos pais! Nesse momento, algumas mulheres cogitam usar a mamadeira para alimentar o bebê, com leite artificial ou com leite materno ordenhado.

Há situações, também, em que o aleitamento materno exclusivo não pode ser realizado por outros motivos, como nos casos de crianças que necessitam de suplementação; ou em casos em que se torna necessária a oferta do leite materno fora do seio materno, como nos de recém nascidos prematuros.

Mamadeira: boa ou ruim?

Independente da situação, ao contrário do que muitos pais imaginam, a mamadeira não é a melhor opção para administrar o leite com o pequeno.

Tanto a OMS como a UNICEF não recomendam o uso de mamadeira, nem mesmo nos casos em que se torna imprescindível o oferecimento de alimentos substitutos do leite materno.

O bico da mamadeira é associado à impactos negativos no desenvolvimento do comportamento de sucção do bebê.

Ocorre que o bico da mamadeira é artificial e, embora tente reproduzir o mamilo materno, não é uma reprodução fiel – até mesmo por ser de silicone.

Com isso, o pequeno acaba exercitando músculos faciais diferentes para sugar o bico artificial.

Problemas do uso

A consequência disso é uma dificuldade do bebê em sugar o leite materno, uma vez que a musculatura que deveria ser utilizada para o aleitamento não foi exercitada e, tampouco, fortalecida.

A exposição a bicos artificiais está intimamente ligada a pega errada do bebê, além da redução do tempo de aleitamento materno e do contato mãe-bebê.

Clique na seta amarela abaixo, após a publicidade, para continuar lendo.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *