Ela perdeu a vida durante o parto de sua filha, mas um milagre surpreendente aconteceu

Quando Melanie e Doug Pritchard se preparavam para ter o primeiro filho, eles procuraram um médico que fosse pró-vida, para ter certeza que ele lutaria pela vida de seu bebê e dela se necessário. Essa decisão fez toda a diferença. Seu primeiro filho Brady nasceu de parto normal e tudo foi bem.

Às 39 semanas de gravidez da segunda filha, Melanie, professora universitária, começou a sentir contrações. Seu marido Doug a acompanhou até o hospital local na cidade de Phoenix, estado do Arizona, nos Estados Unidos, para o que parecia ser o início de mais um parto normal.

Já no hospital, após verificar que o bebê estava em posição para nascer, o obstetra aguardou até que as contrações aumentassem e finalmente rompeu sua bolsa.

Foi então que algo terrível aconteceu: Mesmo com as funções vitais parecendo normais, Melanie começou a sentir tonturas, náuseas e teve um desmaio.

Enquanto a enfermeira verificava o que havia de errado, os batimentos cardíados e a pressão arterial de Melanie chegaram a zero, e ela ficou totalmente azul. Os batimentos cardíacos e a pressão do bebê, que ainda não havia nascido, também começaram a cair rapidamente. O hospital então emitiu o diagnóstico conhecido no meio médico americano como “Código Azul”, declarando Melanie clinicamente estava sem vida, com o bebê ainda dentro de seu corpo. A correria então começou para salvar o bebê, e uma cesariana de emergência foi iniciada.

Doug, no mesmo instante, começou a orar para que sua esposa e filha fossem salvas de alguma forma. Ele conta que nunca havia se sentido tão desesperado e com medo em toda sua vida. Ele orou a Deus algo como: “Senhor, eu sei que isso é mais do que posso suportar, o que significa que tu tens um plano e um propósito com isso tudo, e eu confio em Ti; mas, por favor, se for da Tua vontade, permita-me abraçar minha esposa novamente”.

Logo em seguida, ele começou a contatar a família e amigos implorando para que orassem pela esposa e filha. Família e amigos compartilharam os pedidos de oração nas mídias sociais. Enquanto os pedidos de oração cresciam viralmente e uma pequena multidão se aglomerava no hospital – a situação de Melanie e sua bebê estiveram entre os 100 assuntos mais comentados no Google e Twitter naquele dia 28 de julho de 2010 – em 15 horas, mais de 150 mil pessoas estavam orando e compartilhando a situação com o mundo.

Felizmente o time de médicos foi capaz de salvar o bebê enquanto outro time tentava ressuscitar Melanie usando um desfibrilador por 4 vezes e massagem cardíaca ininterruptamente. Sem sucesso, ela foi considerada sem vida por 10 minutos até que um médico percebeu uma batida cardíaca falha e fraca, ainda sem pulso. Eles recomeçaram imediatamente o ressuscitamento que durou mais de 90 minutos, até que a pressão voltou a subir lentamente. Embora os médicos houvessem lhe estabilizado,ela ainda apresentava estado gravíssimo, e eram necessárias outras cirurgias, na tentativa de salvar sua vida.

A equipe médica então anunciou aos familiares aglomerados na sala de espera que Melanie havia sofrido um embolismo do líquido amniótico e uma consequente parada cardíaca, e aconselhou que preparassem o adeus.

Enquanto isso, Doug foi visitar sua filha no berçário que havia nascido de cesariana, sem saber se sua esposa estava viva ou sem vida. As enfermeiras entraram no local e lhe perguntaram qual seria seu nome. Ele respondeu, “Gabriella, a heroína de Deus”.

Clique na seta amarela abaixo para continuar lendo.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *