Depois que os papéis da adoção foram assinados, uma reação inesperada ocorreu no tribunal

“Em 2010, meu marido, Tyler, assinou um contrato com a 101ª Divisão Aeronáutica do Exército dos Estados Unidos.

Vinte dias após o treinamento básico, ele foi enviado para sua primeira missão no Afeganistão.
Sua unidade iria estabelecer recordes e receber muitos prêmios, incluindo a citação da unidade presidencial vinda direto do presidente.

Ele teve a sorte de voltar para casa após os acontecimentos, pois vários de seus “irmãos” não o fizeram… Ele ficou em casa por dois anos antes de voltar ao Afeganistão, em 2013-2014.”

“Chegando em casa de depois de sua segunda missão, ele logo percebeu que não havia deixado a guerra completamente e sabia que precisava de ajuda…

Ele optou por não se alistar quando chegou a hora novamente, mas decidiu procurar tratamento no centro médico para veteranos de guerra em Ohio.

Ele foi diagnosticado com TEPT (Transtorno do estresse pós-traumático) em 2015. Atualmente, ele está envolvido com o centro de veteranos e terapia semanal, mas ainda luta diariamente com as memórias que trouxe da guerra.

“Eu tenho lutado contra a doença de Crohn há 17 anos. Eu fui diagnosticada quando tinha 15 anos. Desde então, passei por dezenas de cirurgias para reparar os bloqueios de Crohn.

Durante uma dessas cirurgias, um nervo foi cortado, o que paralisou meu estômago. Eu tive que tirar meu estômago e depois reconstruí-lo.

Durante meus anos dentro e fora da Clínica de Cleveland, eu perdi uma grande porção de meus intestinos e tenho um “estômago ativo” que agora é do tamanho de uma amêndoa.”

“Ainda me submeto ao tratamento na Clínica de Cleveland e preciso de infusões mensais, além de cirurgias para manter a doença de Crohn em remissão.

Devido a tudo isto, tenho dificuldade em absorver quaisquer nutrientes e, por isso, luto contra a desnutrição diariamente.

Tyler e eu nos conhecemos logo antes de sua segunda missão no Afeganistão. Sabíamos que seria difícil, mas também sabíamos que fortaleceria nosso relacionamento de maneiras que a maioria das pessoas nunca entenderia.

“Ele foi enviado por nove meses, e no mês seguinte que ele chegou em casa, ele me propôs e nos casamos algumas semanas depois.

Quando ele saiu do exército, nos mudamos para Perrysburg, Ohio, e decidimos que era hora de começar uma família.

Nós dois sabíamos que queríamos muito a nossa própria família, mas não sabíamos o que Deus havia planejado para nós… Nós tentamos engravidar durante anos.

Mas logo percebemos que isso não aconteceria, nem seria seguro para o meu corpo sustentar o milagre da gravidez devido à minha doença.

Ficamos de coração partido e rapidamente nos encontramos buscando outras formas de cultivar nossa família e nos tornar pais. ”

Clique na seta amarela abaixo, após a publicidade, para continuar lendo.

PRÓXIMA PÁGINA
1 / 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *